Creative Commons License Olho, vejo, penso, fotografo e congelo o tempo para sempre / I look, I see, I think, I photograph and freeze time forever

Logotipo criado por designer Carlos Ré

10 de outubro de 2015

a dança da felicidade

dançava feliz
sabia ter vida dentro de si
vida gerada por amor e com amor
dançava feliz
sabia ser menina
sabia que iria ser linda
como a tia Ermelinda
dançava feliz
uma árvore construiria
plena de fortes ramagens
repletas de folhas verdes
dançava feliz


5 de março de 2015

desafiadora

desafiadora
Mariana sempre fora assim
nunca tinha medo de nada
de "peito feito" enfrentava a mais temida rapariga da escola
era bela, cabelos de prata, olhos escuros, pele branco neve
não era igual às outras raparigas da rua
não queria ser diferente
era diferente!
quando passava na rua, despertava curiosidade
por vezes uma curiosidade quase mórbida
seguida de comentários (in)compreensíveis
mas Mariana sempre fora assim
desafiadora
não queria ser diferente
era diferente!

3 de março de 2015

o tempo

olha o tempo, olha o tempo
será que tens tempo ou não há tempo
tempo para trabalhar
tempo para dormir~
tempo para comer
tempo para amar
tempo para brincar
tempo para isto e aquilo
tempo que julgamos ter e não temos
ou tempo que temos e não sabemos usar
será tempo real ou imaginário
tempo que temos ou tempo que desejamos
tempo, tempo, tempo
olha o tempo, olha o tempo
fiquei sem tempo!

28 de janeiro de 2015

a luz em falta

sem cor e palavra por aqui
preguiça, quiçá essa a razão
ou talvez não
ausência de ideias
ausência de palavra acertada
a falta de luz
no pensamento

11 de maio de 2014

Amanhecer

há amanheceres assim
que se confundem com o entardecer
é o ciclo do começo e do fim
que se cruzam sem saber

17 de fevereiro de 2014

aos domingos

todos os dias havia gente a passar
pessoas novas e mais velhas
nas compras do quotidiano
mas aos domingos era diferente
aos domingos, as ruas enchiam-se
de pessoas descontraídas
turistas e também locais
em sapatos confortáveis 
roupas leves e coloridas
subiam e desciam a rua principal
azáfama de quem compra e quem vende


11 de fevereiro de 2014

Ó menina, ó menina

passava a passo lento
tempo de férias não é para correr
olhava em redor para não perder nada
um evento marítimo a não perder
me levara a Toulon
como a não perder
as cores nas telas nas ruas agitadas
gente a passar mas poucos a parar
como não?
arte é arte, arte é para se ver
mesmo na rua, ao sol, ao vento
arte é para apreciar mesmo em passo lento
lembrei-me das bancas de peixe
"ó menina, ó menina, não quer comprar?"

5 de fevereiro de 2014

a água voltou

estive sem ideias
ou as que tinha andavam baralhadas
rodopiavam sem sentido na minha cabeça
muitas cores cintilavam
reflexos do arco-íris que teimava em ficar
mas só contemplação
até que hoje
bem hoje, fluíram as ideias
como água vertida dos baldes
também eles coloridos
que a fonte não seque

3 de dezembro de 2013

a espera desesperada


esperou, esperou, esperou
dissera que viria pelas cinco
que não faltaria por nada
que despachara todos os documentos
prometera levar-lhe flores
as que sabia mais gostar
não, não as encarnadas
as brancas como a neve
esperou, esperou, esperou
pediu um chá quente
mas apenas bebicou
trouxeram um bombom
mas nem o abriu
esperou, esperou, esperou
passavam a seu lado e olhavam
ar intrigado nuns
desconfiados noutros
ninguém suspeitava
que seu coração palpitava
 com o tempo que passava
que teimava em passar
esperou. esperou, esperou
e desesperou!

14 de novembro de 2013

o sapatinho

o sapatinho
sapatinho com a conta
fez-me lembrar  o sapatinho de Natal
para uns
será vazio
para outros
bem recheado